Corte de Relações com o IST-Tagus no âmbito do CS5CEP

 In Uncategorized

Corte de Relações com o IST-Tagus (nota explicativa da Direcção e Conselho Fiscal da Liga do Mar),

Lançamento do Observatório Aeroespacial de Oeiras em 1998, em parceria com a REP. Exposição dos equipamentos emprestados na 1ª fase ao IST-Tagus em 2005 a 2010.

Lançamento do Observatório Aeroespacial de Oeiras em 1998, em parceria com a REP. Exposição dos equipamentos emprestados na 1ª fase ao IST-Tagus em 2005 a 2010.

O Observatório Ambiental de Teledetecção Atmosférica e Comunicações Aeroespaciais vulgo conhecido por Observatório Aeroespacial de Oeiras foi criado pela Liga do Mar  – Liga Ambiental para a Educação Juvenil e Ciências do Mar e foi operacionalizado através de uma parceria estabelecida por Protocolo celebrado entre a Liga do Mar e a Rede dos Emissores Portugueses em 1998.

Numa primeira fase a Liga do Mar instalou o Observatório ex-CS1MAR na antiga sede situada na Escola de Pescas e Marinha de Comércio, em Pedrouços (no mesmo local onde hoje está edificada a prestigiada Fundação Champalimaud), só depois com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras através da Vereação da Juventude a Liga do Mar deslocalizou o projecto e todo o acervo do Observatório que reuniu ao longo dos anos, para o Centro de Juventude de Oeiras onde funcionou até Janeiro de 2013, altura em que a edil Isaltino Morais por imposições de índole política o mandou remover do local, em consequência, o Observatório fixou-se em outro lugar do concelho de Oeiras.

Vice-presidente da AMRAD presenciou em 1998 a fundação do CS1MAR, não pode evocar que desconhece os factos e os esbulhos que o IST CS5CEP impõe.

O vice-presidente da AMRAD em 2016, conhece e presenciou em 1998 a fundação do CS1MAR, não pode evocar hoje que desconhece os factos e os esbulhos que o IST CS5CEP impõe.

Foi em 2014 que o Observatório se constitui em um organismo associativo autónomo, no âmbito do Decreto Lei 53/2009 já se tendo desligado anteriormente da parceria e dos apoios que a Liga oferecia e mantinha junto do IST-Tagus em Leião, entidade pública para a qual a Liga e os fundadores do Observatório desde 2005 vinham promovendo e partilhando com o IST-Tagus o trabalho educativo que operacionalizavam junto das escolas do concelho e da região de Lisboa, para tanto, a Liga do Mar vinha emprestava e vinha suprindo materiais e equipamentos, designadamente e também bens pessoais quer dos autores do projecto, quer dos voluntários que para ele trabalhavam há anos, empregando vastos recursos humanos, milhares de horas de trabalho e imensos meios técnicos que permitiram ao IST colocar em funcionamento o CS5CEP licenciado junto da ANACOM através da associação que a própria Liga fundou em 2002 a AMRAD e que foi intencionalmente criada para suportar legalmente as acções de radioamadorismo que a Liga não podia sustentar junto da ANACOM por motivos estatutários e legais.

Lançamento em 1998 do Observatório Aeroespacial de Oeiras ex-CS1MAR em parceria com a REP. Equipamentos emprestados em 2005 ao IST-Tagus na imagem.

Lançamento em 1998 do Observatório Aeroespacial de Oeiras ex-CS1MAR em parceria com a REP. Equipamentos emprestados em 2005 ao IST-Tagus na imagem.

O Projecto do Observatório foi depois de constituído, parcialmente apoiado pelo programa Ciência Viva em 1999 permitindo que a Liga do Mar colocasse em funcionamento um mais amplo conjunto de programas educativas interdisciplinares todos eles ao tempo ligados quer com a teledetecção ambiental e atmosférica, quer também com a radiolocalização, os balões e as boias marítimas, os satélites e outras disciplinas tecnológicas que se desenvolvem através do radioamadorismo educativo um pouco por todo o mundo, em especial na Europa, Japão e EUA.

Durante os primeiros anos de actividade o Observatório ex-CS1MAR/REP e ex-CS1RAD/AMRAD funcionava com os materiais e os equipamentos que os seus próprios autores e fundadores disponibilizam através de empréstimos e comodatos e que também vinham suprindo com materiais e até financeiramente. Com o apoio adicional do programa Ciência Viva foi possível à Liga do Mar adquirir mais equipamentos e mais materiais que sempre partilhou de boa-fé e durante vários anos, primeiro com a AMRAD a partir da altura em que a fundou no ano de 2002 e depois com o IST-Tagus desde 2005 até 2011, data a partir da qual a Liga solicita a devolução dos bens emprestados, cuja restituição dos acervos materiais e até dos suprimentos financeiros aguarda que o IST tenha a dignidade de devolver e ressarcir, no bom estado de conservação e funcionamento, tal qual os recebeu no ano de 2005 cedidos pela Liga do Mar e também pelos autores do próprio projecto, dos quais o IST nunca prestou contas. Sabendo-se que todos estes recursos da Liga e dos voluntários têm sido empregues abusivamente e com dolo, por alunos e professores dessa instituição e outras pessoas, sem prévio conhecimento da Liga, evocando abusivamente o nome da AMRAD, a associação que a própria Liga fundou em 2002, mas que não é titular desses bens. Os dois professores, alunos, ex-alunos e funcionários do IST ligados ao CS5CEP evocam a sua condição de directores e sócios da AMRAD desde 2011 e 2014 para não deixarem devolver os bens que não pertencem à essa associação, simulando que desconhecem todos estes factos cronológicos, num jogo frio de manipulação e esbulho de profunda crueldade.

Radioamadores da região de Cascais e Oeiras que visitaram o Observatório Aeroespacial de Oeiras no ano da sua criação em 1998.

Radioamadores da região de Cascais e Oeiras que visitaram o Observatório Aeroespacial de Oeiras no ano da sua criação em 1998.

Infelizmente ocorreu que o IST através do seu próprio gabinete de comunicação, também apresentava junto da comunicação social, televisão e jornais, quer os equipamentos, quer o próprio projecto da criação do centro espacial CS5CEP, como sendo e citamos: ”professores e alunos do IST colocam em funcionamento uma estação de satélites no Tagus-Park” exibindo-se publicamente os alunos e os professores com os materiais e os equipamentos que são propriedade privada e que de boa-fé lhes tinham sido emprestados desde 2005, porque segundo os dois professores do IST inicialmente envolvidos nesse trabalho afirmavam, justificando que o IST não dispunha de recursos financeiros para adquirir nem executar essa obra, contudo, prosseguiam exibindo reiteradamente o projecto e os recursos reunidos durante anos por cidadãos de boa-fé, sem nunca terem feito quer o IST, quer os professores e os alunos envolvidos, uma única referência aos autores e aos seus direitos conexos sobre o projecto e os bens emprestados e por estes eram exibidos quer ao público, quer a membros do governo, facto que lamentamos assinalar.

Equipamentos do Observatório Aeroespacial de Oeiras emprestados ao IST em 2005, cujo restituição aguardamos desde 2014

Equipamentos emprestados ao IST CS5CEP por fundadores do Observatório Aeroespacial de Oeiras em 2005, mas cujo restituição aguardam ainda hoje em 2016, simulando os professores do IST que são bens da AMRAD, a associação que eles dirigem e encerraram no IST-Tagus.

Muitos radioamadores da região, além dos autores e fundadores do Observatório, entre antigos associados e até past dirigentes da REP e de outras associações locais, visitaram e participaram inicialmente no projecto, conforme se ilustram nas imagens obtidas há 18 anos atrás, no Centro de Juventude Oeiras.

Todos estes factos foram vividos por estas pessoas e todos aqueles que neles participaram de boa-fé e com elevado e inegável sentido cívico, em troca de nada. Nunca nada foi pedido em troca ao IST nem a nenhum dos seus directores, oferecíamos o nosso trabalho voluntário e gratuito a bem da educação tecnológica de crianças e jovens menos favorecidas, afinal fomos usados e enganados.

Infelizmente depois de 2014 continuam a ser negados os nossos direitos por directores, alunos e professores do IST-Tagus, que afinal beneficiaram gratuitamente das inicitivas e das acções, mas nunca foram contemporâneos dos acontecimentos que ocorrem com elevação e com profundo sentido de cidadania há já quase duas décadas, tal qual as imagens testemunham e lamentamos ter de recordar e comentar.

Contacte-nos

AMSAT-CT

Not readable? Change text. captcha txt